Arquivo do mês: agosto 2011

De todo o amor que tu tens

Fui saber quem foi a Dona Cila há pouco tempo. Desde bem antes de conhecê-la, uma canção com o seu nome, composta e interpretada por Maria Gadú, sua neta, mexia comigo, não me saía da cabeça. Gadú diz o seguinte logo no início de sua poesia musicada:

De todo o amor que eu tenho
Metade foi tu que me deu
Salvando minha alma da vida
Sorrindo e fazendo meu eu

Era uma noite gelada e chovia bastante também. O Tio Brandão, que nunca fora parâmetro para assuntos de temperatura porque nunca sente frio, vestia um moletom e podia-se especular se havia pelo menos uma camiseta por baixo dele. Era possível que não. Samanta, mais alguns astutos mortais e eu o ouviríamos ministrar o curso de Batismo no salão paroquial da igreja Nossa Senhora da Saúde, no bairro Teresópolis, zona sul de Porto Alegre. Com muita alegria, nos preparávamos para ser padrinhos da Rebeca, filha do Juliano e da Melissa.

Alguns podem estranhar que seja necessário uma preparação para tornar-se padrinho ou madrinha de alguém. Mas tem que, sim. O Espírito Santo falou por meio do Tio Brandão aquela noite e plantou em nossos corações esse significado: o desejo e a responsabilidade de dar, de ensinar à Rebeca, o amor, que é de Deus.

Naquela fria e encharcada noite de quarta-feira, ouvimos que Deus nos amou desde o início, nos projetou e desejou que estivéssemos vivos. Por alguma razão desejou isso. Um dia, bem antigamente, o homem, tomado de vaidade, afastou-se do amor, e tomando o caminho contrário, desejou ser Deus. Assim, nasceu o pecado com Adão. Desde lá, o homem tropeçou e caiu muitas vezes tentando viver sem compreender o amor. Até que Jesus Cristo, o próprio filho de Deus, veio ao mundo nos dar a prova mais amorosa e mais definitiva: sofreu até a morte como exemplo de como devíamos nos comportar para sermos felizes.

Mas a Rebeca não sabe de nada disso.

Em princípio, seus pais e padrinhos apenas desejam que se cumpra nela o plano de Deus e que ela seja feliz. Mas ela não será feliz se não aprender a amar. “Ela não amará se não for amada primeiro por vocês”, sentenciou o Tio Brandão. Há poucas chances de a Rebeca ser feliz se não dermos a ela o amor.

Tem mais. Como diz a letra de Gadú, esse amor salvará a Rebeca da vida. Da vida que nos chama de volta à vaidade, à inveja, à competição, ao individualismo, que são sentimentos e comportamentos  originais do animal que reside dentro da gente e que é atraído todos os dias pela forma como a sociedade nos valora. Não resistir a isso, praticando o amor, é pecar. Pais e padrinhos são chamados a dar, a ensinar ao filho e afilhado metade deste amor, como também diz a canção. Para que ele busque todos os dias da vida, com sua liberdade, a felicidade completa.

Mas de que amor estamos falando? Mesmo sem compreender isso tudo, que pais e padrinhos não vão amar seu filho e afilhado? Facilmente, confundimos amor com afeto. O afeto gera prazer. O amor, nem sempre. O amor precisa ser praticado com consciência, é mais razão que emoção. O amor quer mais que carinho, quer até mais que noites em claro, quer mais que o sacrifício de dar atenção quando a novela está no seu capítulo final. O amor criado por Deus e vivido por Jesus Cristo é uma atitude que exige a nossa entrega pela felicidade do outro.

Pais e padrinhos, entendam o significado do Batismo para suas crianças e vivam com alegria essa responsabilidade. Torná-las filhas de Deus é ensiná-las a amar, para que sigam o plano de Deus, para que sejam felizes. Ensiná-las o amor é a metade de tudo. Acho que era por isso que a Dona Cila sorria.

1 comentário

Arquivado em Genéricos

Sobre internet e postes de borracha

Artigo meu, publicado no site Mínimo Múltiplo. Boa leitura!

***

Na primeira madrugada de fevereiro de 2008, a Avenida Senador Tarso Dutra (Terceira Perimetral), na zona norte de Porto Alegre, foi cenário de mais uma tragédia do trânsito. Por tratar-se da família de uma figura pública, o caso ganhou repercussão além das páginas da editoria Geral dos jornais do dia seguinte. Avançou para a editoria de Política, ganhou a boca do povo e mereceu artigos e receitas de especialistas para diminuir as chances de que mais dramas como aquele se repetissem. Proibição da venda de álcool nas festas, investimento em novas campanhas de educação para a alta velocidade, análise sobre o comportamento juvenil na direção. Quaisquer desses movimentos seriam válidos no sentido de evitar o trauma de mais uma família, de fazer das ruas da capital locais menos violentos. Mas não. O que me chamou mais a atenção? A discussão sobre a presença de árvores e postes nas calçadas, próximos das vias. Não estariam eles contribuindo para o aumento das estatísticas de mortes no trânsito? Quem os teria posto ali, afinal? Postes de borracha. Foi a sugestão de um internauta que lera, atônito, matéria sobre um dos painéis a respeito do trânsito, realizados na capital à época. #fail

Postes de borracha. Sim, é um exemplo aleatório, mas de um comportamento recorrente. Parece próprio do ser humano evitar a compreensão integral dos fenômenos e concentrar a solução das coisas no que é mais simples ou mais fácil. #tenso

É assim para as drogas, quando a sociedade se recusa a cuidar da família e desvia o foco para os perigos do pó. É assim na conservação do patrimônio público, quando esquecem de comentar a importância deles na escola e preferem restringir a venda de sprays a pichadores. É assim quando pais pedem punição para professores quando eles pegam seu filho pelo braço e o obrigam a sentar e manter o silêncio na sala de aula. Não são os pais, neste caso, os passíveis de punição?

As mídias sociais são geridas por esses mesmos seres humanos. Nas agências de marketing digital, nas empresas, nos veículos de comunicação. Blogs, Twitter, Facebook, Foursquare, Linkedin, Tumblr, Youtube não são soluções, são meios apenas. Tão somente meios. Para o lamento de todos, as fragilidades, as fraquezas e as dificuldades de agências de marketing digital, de empresas e de veículos de comunicação são os mesmos de antes do surgimento dessa parafernália toda.

Há muito tema de casa para ser feito antes de conquistar sucesso de uma marca nas redes digitais. Não há mágica. Não há caminho mais curto ou mais fácil.

Em uma pesquisa rápida no site Escave as Mídias Sociais é possível conhecer algumas geniais campanhas de marketing digital de marcas famosas que não deram certo. Porque não entenderam bem os critérios de desempate para a escolha de um mayor no Foursquare? Porque encontraram um bug numa das funcionalidades da fanpage do Facebook? Ou porque não encontraram um mecanismo eficaz para medir a amplitude de uma ação no Twitter? Nada disso. Muito geralmente, as razões que levam ao fracasso de uma marca nas redes digitais (sim, este é o melhor nome para tudo isso; mais preciso que redes sociais e mídias digitais) não são o manejo das novas ferramentas. Até porque é só dar um clique num buscador – ou um chute numa moita, como se dizia no tempo do off-line –, e aparecem centenas de especialistas em mídias sociais (aliás, sobre isso, recomendo este artigo do Perestroika).

O que leva a imagem de marcas e o objetivo de campanhas digitais ao fracasso é a ilusão de que a internet mudou o mundo. De que a internet mudou as cabeças, as leis da física, as relações entre empregado e empregador, que mudou a relação entre organização e consumidor, político e eleitor. Nada mudou nas operações fundamentais da sua empresa, da mente daquele cliente exigente. Nadinha.

No Escave as Mídias Sociais, há casos clássicos (e que repercutiram bastante) de empresas que se deram mal na rede exatamente por não observar elementos básicos da relação com seu interlocutor. Consideremos dois de duas grandes empresas, uma de automóveis, outra de eletrodomésticos. Em ambas, o cliente cansou de não ser atendido pelos meios convencionais e postou sua reclamação na rede. Só o vídeo no Youtube de um dos insatisfeitos tem mais de 800 mil exibições. E, atenção, neste caso, o consumidor não se sentiu lesado por terem quebrado uma regra do regulamento da ação na internet, mas pelo não-cumprimento do Código de Defesa do Consumidor, criado em setembro de 1990, quando eu nem pensava em ter e-mail.

E o famoso caso de um funcionário de uma empresa de hospedagem de sites e serviços de internet que ofendeu no Twitter um torcedor do clube que era patrocinador da sua empresa? Seguido deste, há inúmeros casos de jornalistas e outros profissionais que foram demitidos depois de falar mal da empresa, de sua chefia ou de seus colegas. Porque não sabiam usar as ferramentas ou porque infringiram normas básicas de postura, ética e bons modos, ensinados pela avó?

Há também o caso de um estagiário de uma marca de design de interiores do Reino Unido, que resolveu explorar a polêmica sobre as eleições iranianas, em 2009, usando as hashtags #iranianelection e #Mousavi para inserir propagandas de sua empresa entre a multidão que discutia a questão política daquele país. A empresa foi acusada de fazer piggy-backing, ou seja, de tentar enganar seus consumidores. Viram como nada mudou? A culpa segue sendo do estagiário.

OK, mas é importante compreender a nova dinâmica que a internet impôs ao mercado, né? Claro que sim. A internet criou novas formas de interação e colaboração. Mais: ela pôs um megafone na mão de quase todos. De bons e de ruins. Mas bom caráter, respeito e bom senso ainda são essenciais. Nas empresas, a realidade é mais exigente. Bem antes de manjar do universo on-line, lembre-se de que o mundo de hoje exige muito mais do mesmo. Transparência, qualidade dos produtos, qualidade do atendimento e responsabilidade socioambiental, por exemplo, são prerrequisitos urgentes. #temqueverissodaí

Deixe um comentário

Arquivado em Comunicação