Um texto que queria ter escrito

Mas não escrevi. A autora é a jornalista Claudia Laitano, do jornal Zero Hora, de Porto Alegre. Recomendo.

***

Conhecimento geral

Sumiram as enciclopédias, e com elas seus distintos vendedores – sujeitos capazes de convencer até quem nunca comprou outros livros na vida de que aquelas vistosas coleções, com capa dura e letras douradas, valiam o investimento. Não eram baratas as enciclopédias, e os sonhos e obrigações da classe média (hoje como sempre) tendem ao infinito – carro novo, sofá, dentista, férias na praia… Mas não era apenas a possibilidade de dar a volta ao mundo em 23 letras e “fantásticas ilustrações” que aqueles vendedores ofereciam de porta em porta. Ter uma enciclopédia em casa era um sinal de distinção social, daqueles a que se pode ter acesso pelo crediário. Era pouco mais de um metro de livros solenes na estante, entre a TV e o vaso mais bonito da casa talvez – mas como caíam bem.

A palavra “enciclopédia” vem do grego, “enkyklios paideia”, algo como “educação (paideia) circular (enkyklios)” ou “conhecimento geral”. A enciclopédia moderna, organizada como um dicionário com palavras e definições, surge com os iluministas, no século 18. Já a possibilidade de construir um repositário de conhecimento universalmente acessível, inimaginável para os iluministas tanto quanto para os vendedores de enciclopédia da minha infância, não poderia existir sem a revolução tecnológica que guilhotinou limites de tempo, espaço e recursos.

A Wikipédia, que completa 10 anos hoje, levou a ideia do compartilhamento do conhecimento a sua expressão mais radical. “Wiki” quer dizer “veloz” no idioma havaiano. A “enciclopédia veloz” não é apenas fácil e rápida de consultar, mas inquieta na atualização e insaciável no apetite por novos verbetes, escritos e corrigidos coletivamente. Sem intermediários e outros recursos necessários além de uma boa conexão à internet – para azar irremediável de vendedores (e editores) de enciclopédias.

A Wikipédia tornou-se tão satanicamente popular em tão pouco tempo, que muita gente ficou desconfiada. A principal crítica sempre foi a de que ela não seria totalmente “confiável”. É possível, mas se isso ensinar os jovens leitores a desconfiarem de tudo o que leem, será um efeito colateral bem-vindo, me parece. Outros dizem que a Wikipédia “perverte” os estudantes. Será? Quem cresceu copiando trechos de enciclopédias sabe que o Ctrl C/Ctrl V foi inventado muito antes do teclado. Alunos que têm a sorte de estudar em boas escolas aprendem de muitas outras formas além dos trabalhos que podem ser copiados, e os que estudam em escolas fracas têm outros problemas para se preocupar.

Muito além de poupar a classe média do investimento em livros que ficavam defasados antes mesmo do fim do crediário, a grande revolução da Wikipédia foi a de colocar em prática a revolucionária ideia da “cultura colaborativa”. E de forma tão elegante e bem-sucedida que todos os dias inventam-se novos projetos construídos global e coletivamente – sinfonias, livros, compras, ações de solidariedade…

Grupos de pessoas protegidas pelo anonimato, a gente sabe, podem fazer coisas muito ruins. Não é uma grande conquista, comparável às viagens espaciais ou à cura de uma doença, descobrir que elas podem se unir para construir juntas a melhor definição para uma palavra, uma invenção, um sentimento? Wikipédia, eu acredito.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Comunicação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s