Mais enganados pelo CLJ

Sorte nossa ter mais jovens sendo enganados pelo CLJ.

Escrevo esse texto perto das 15h de um sábado. Nesse mesmo horário e dia da semana, há alguns anos já me preparava para sair de casa, violão nas costas, para viver parte do meu sábado em função dessa causa. Enganei-me muito com esse movimento. E ganhei muito com isso.

Agora vejo que mais jovens estão nessa.

Aos sábados à tarde, salões paróquias de centenas de cidades neste e em outros Estados estão repletos de gente engajada nessa causa nobre: levar a mensagem da fé, da esperança e da caridade para mais pessoas. Neste final de semana, em Salvador do Sul (RS), mais um Cenáculo de Maria acontece. Mais de cem jovens voltarão de lá de ânimo renovado e com roteiros do caminho do bem.

Sorte da sociedade. Sorte do nosso futuro e dos filhos dessa geração. Com a desestruturação da família, muito mudou. Muito mais ainda mudará. Nos lares dos ricos, os pais precisam trabalhar e pouco tempo dedicam para a criação adequada de seus filhos. Deixam-nos com alguém para cuidar. Nas casas dos pobres há menos tempo ainda para coisas elementares como diálogo, afeto e compreensão. A necessidade de ter com o que preencher o prato no dia seguinte é a prioridade de pais e mães, com seus filhos numerosos. “É ruim acordar de madrugada pra vender bala no trem. Se eu puidesse eu não seria um problema social”, já ouvimos do Seu Jorge em Problema Social.

A perspectiva divulgada na imprensa essa semana de que já estamos tendo famílias menores é um alento. Talvez aumente a dedicação para preparar os pequenos para a vida. Não há perspectiva de melhora se a educação não acontece. “Não dá pra plantar mandioca pra nascer jabuticaba”, já diria Luiz Vieira, poeta e cantor brasileiro.

Soma-se a isso a educação risível que temos na maioria das escolas do país. O resultado são jovens agindo com pouco limite ético, cada vez mais vulneráveis às armadilhas das drogas, da violência e do crime.

Dia desses participei de um jantar em Canoas pra comemorar os 30 anos do CLJ aqui na cidade. Da geração da internet, dos shopping centers, dos mp3 players ou da necessidade de trabalhar, o movimento ainda consegue reunir mais de uma centena deles. Quase não cabiam na foto final. Sorte da sociedade ter iniciativas como essa e outras como aliadas. Na ausência da família, são eles que preparam exércitos de voluntários para uma guerra moral que é travada todos os dias nas escolas, nas ruas, nas salas de estar, nos quartos fechados. Batalhas e batalhas já põem em trincheiras opostas a virtude e a ganância, a honestidade e a individualidade, a solidariedade e o egoísmo. Sorte dos pais que têm seus filhos no caminho do bem. Sorte deles. Sorte da sociedade. Mais sorte que juízo.

————————
Abaixo, alguns depoimentos que recebi do exército do bem. Se quer ler mais, clica aqui.

Marla
Ai, Ju, coisa boa te ler sobre o CLJ – sim, eu também fiz! E realmente foi muito legal.
Adorei!
Bjão 

Adriele Feix
oiiii!
estava fazendo uma pesquisa no Google e encontrei teu texto!
levei um grande susto ao ler o título, mas fiquei muito feliz ao terminar de lê-lo!!!
texto maravilhoso!!!
escrito por um ser iluminado pelo Espírito Santo!!!
parabéns!!!
participo do CLJ da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, de Estância Velha, Diocese de Novo Hamburgo…
fica com Deus!
que Ele te projeta e guie teus passos sempre!!!
abraço!
Shalom!

Naná
A Paz de Cristo!!!
Olá!!!

Estava querendo ver uns cantos de outros movimentos e encontrei o seu texto.
fiquei pensando o que será que levara uma pessoa a pensar assim????
Por curiosa resolvi ler, mas fiquei muirto feliz ao terminar de lê-lo!
Eu não conheço o Canta Brasil, mas o CLJ conheço bem, a pouco tempo fez 7 anos que estou nele, e concordo com o que você escreveu, sendo que é bem parecido com o que eu já fiz, tirando a parte de ensinar violão, e colocando a meia-lua.
Faço parte do CLJ da Paróquia São Cristóvão, de Estrela, recentemente Diocese de Montenegro.
Fique na paz, e continue a fazer esse trabalho maravilhoso, que é de levar o Cristo para todos.

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em CLJ

4 Respostas para “Mais enganados pelo CLJ

  1. Willian 30º CLJ

    Bá cara… Virei teu fã, hehehe!!
    Parabéns pelos textos, me chamam muito a atenção! Faz tempo que estou para te dizer isto…
    Concordo quanto ao termo “enganado”. Depois de alguns anos no CLJ, depois de muito aprender com amigos-professores, de ensinar outros e de realmente amadurecer, encontrei, em um desses amigos-professores, a palavra que descreve um sentimento que me acompanha a algum tempo.
    E além de tudo, sou muito feliz por ter sido enganado neste tempo todo. Hoje julgo-me, junto de outras pessoas, o elo de ligação entre a nossa geração de Cljotistas e a geração destes que hoje fazem o movimento comemorar os 30 anos e tenho a certeza de que serão todos eternamente gratos por serem enganados também.
    Tu sabes tanto quanto eu, que dá trabalho enganar a outros, mas que também é muito gratificante… Prefiro usar o termo “mágica”, pois não consigo explicar o fato de ouvir um cara me dizer que o mundo está podre e depois de alguns anos me dizer que fui enganado e eu ainda ser muito feliz por isso… O pior é que faço o mesmo com muitos.
    Que a magia se repita de geração em geração!!!

    Grande Abraço!

  2. Fernanda Porto

    Júuu!! Tive que me manifestar dessa vez, né…

    O que mais me impressiona neste movimente é o quanto ele se mantém uniforme, mesmo com tantas novas gerações passando por ele…

    No fim das contas, na essência, só muda de endereço… São os mesmos choros, os mesmos abraços, as mesmas alegrias, brigas, decepções, vitórias … a mesma fé…

    E isso faz com que a gente se aproxime de pessoas que que nunca convivemos e se identifique com elas de uma forma inexplicável…

    O simples fato de termos passado pelo CLJ nos dá a impressão de que conhecemos as pessoas muito bem, há muito tempo…

    É sempre uma alegria pra mim saber que lá na empresa, tem um carinha que já viveu o mesmo que eu… E mesmo que a gente quase nunca se cruze nos corredores eu sei que se precisar de alguém que me entenda, ele está lá e é meu irmão de fé.

    Shalom!!

  3. Diego Morche

    Grande Juliano. Parabens cara!!!!!
    Nunca me enganei contigo. Hehehehe.

    Grande Abraço

    “… pra aparecer as vezes é bom estar desaparecido…”

  4. rsrsrsrsrsrrsrsrs…..
    tbm levei um enorme de um susto quado li o titulo
    e ai vem aquela palavrinha OMG…
    quase morri aki mas por curiosidade entrei e tudo mais e acabei achando esse texto simplesmnte maravilhoso e iluminado 😀
    eu faço parte do clj da nossa senhora das graças de porto alegre zona sul e como ate mesmo tu disse
    ainda bem que o clj continua enganando cada vez mais jovens 😀
    que cristo possa cada vez mais resplandecer a sua luz em cada um dos corações…
    abraço… e a paz irmão.
    SHALOM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s