Vida sem vírgulas

De noite

quando os olhos umidos piscam duas

tres vezes

E os labios se esticam

num largo bocejo

Sinto nos ombros o peso da semana que termina soh amanha

Nas costas, o sentimento de cada decisao

E do boa-noite corrido que dei pra ela

Não adianta, nunca me satisfaço com o telefone

Quando as linhas se quebram e nos dao o tempo necessario de correr o olho por entre o branco da pagina em busca da proxima letra eh porque a vida que escrevo diminuiu seu ritmo e deu chance de respirar quando na verdade nao eh costume da nossa vida parar assim e dar tregua todos ja sabem disso porque sabem ou porque leram em algum lugar que a vida eh uma grande batalha cheia de disputas primeiro pelo tempo que dizem ser precioso depois pelo dinheiro depois pela vaidade que nos eh inutil todas as vezes que o dia nos massacra e que novamente estamos entregues na cama sem ter o que pensar a nao ser nos deixar vencer pelo convite do sono

Na noite passada lembro ter pedido a Deus para ser um cara melhor no dia que iria começar amanha e que o meu dia fosse iluminado e que pudesse fazer as coisas da forma correta mas na verdade nem sei como lembrei disso tudo porque hoje o dia começou ainda mais atucanado que ontem e a unica coisa que penso novamente eh em quando isso vai diminuir nao tem chance para o vacilo porque como combinamos antes tudo eh uma grande batalha e a desatençao faz perder a guerra mas guerra de que heim? o que ganho correndo desse jeito ih esse é o meu onibus porra trem lotado de novo e nesse calor deve estar uma estufa enfrenta meu rapaz eh a vida tu tens que sofrer pra te sair bem na vida e ainda tira esse revista da pasta e vai ler aliás o que é que tu tens lido ultimamente qual teu livro de cabeceira chega essa voz da consciência me enlouquece e essa aula me faz refletir ainda mais nas coisas que nao faço nas coisas que nao sei e nas coisas que nunca vou precisar saber esse professor sabe pra caramba mas não sabe passar e a desculpa de eu nao ter tempo nao vale porque senao todos a dariam e seriamos todos iguais de novo eu devia estar com sono essa hora nesse trem vazio mas a aula foi tao boa que sao onze horas e eu estou bem ligado mas soh ateh comer alguma coisa sempre fico assim depois de comer e antes de por o celular despertar olhar para a cama e nao lembrar mais de nada

Puta merda sete e meia hoje vou pegar o segundo onibus e chego meio atrasado vinte pras oito tchau mae tchau pai esse chuvinha de molhar bobo pra quem usa oculos parece uma enchurrada pingoes desse tamanho e o guarda-chuva tá aqui ou ficou estah aqui e esse ônibus que nao vem assim atrasa mais ainda acho que aquele cara vai descer daqui a pouco dai sento no lugar dele droga bem hoje que eu tinha esse poligrafo pra ler tenho que ir de peh e essa pasta pesada vou largar no chao mesmo depois limpo embaixo melhor do que ficar rasgando a mão aos pouquinhos e tudo que quer se consegue e tudo depende de escolhas que fazemos sobre as coisas vou optar em aceitar esse troço como um desafio pra mim vai ser mais facil do que encarar como um problema nao adiante eh assim e sempre vai ser assim mas se fizessemos alguma coisa vamos reclamar na coordenaçao a aula que pagamos tao caro nao pode ser tao ruim carona? claro pode ser se fica no teu caminho eu aceito quer saber da minha vida? tah beleza um pouco corrida mas não dah nada tenho mesmo eh que agradecer que bom que deu pra deitar mais cedo tenho que acordar mais cedo tenho umas coisas pra por em ordem lah não deu tempo ontem

Nao deu tempo ontem

Não deu tempo de terminar aquele troço

Nao deu tempo de ligar pra ela

Nao deu tempo de saber dele

E de dizer aquilo pro pai

Essa paisagem tão desgastada da vida merecia no minimo um pouco mais de respeito pelo menos alguns pontos a mais nessa rotina sem virgulas e sem acentos onde tudo parece muito igual e onde o tempo eh obsessao de todos e pertence a ninguem ou nos pertencemos a ele? sei la não vejo a hora de sair desse paragrafo e descansar porque a semana soh termina amanha e quando o espaço em branco voltar a aparecer

O dia vai estar chegando ao fim

E eu nao tive tempo de rever o que disse

Nem de procurar onde por as virgulas não sei por onde começo

Se pelo inicio, pelo meio ou pelo fim.

(Este texto foi escrito por mim, em 1/6/2004)

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Especial Canudo

2 Respostas para “Vida sem vírgulas

  1. Pingback: ESPECIAL CANUDO « Uzina

  2. Pingback: Desconfiando do Brasil « Uzina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s