Arquivo do mês: dezembro 2006

23 anos depois, dupla se iguala em títulos mundiais

mundiais2.jpg

Com gol de Adriano, o Internacional de Porto Alegre conquistou nesse domingo (17) o título de Campeão Mundial. O título igualou, 23 anos depois, a conquista do seu rival Grêmio. “Ainda falta umas quantas Copas do Brasil e uma Libertadores para eles nos alcançarem. Sem falar que estivemos mais de uma vez em Tóquio, disputando o topo do mundo”, afirmaria qualquer um dos gremistas.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Genéricos

Eu sou você amanhã

De engraçado passou a intrigante.

Já viram essa nova fase de vírus por e-mail? Você recebe um e-mail de alguém que você quase conhece. Quando olha bem, o assunto está em inglês e quase sempre oferece pílulas de Viagra por uma mixaria ou uma quantia de grana pra fazer alguma coisa.

Na primeira semana com meu novo chefe na empresa, recebi um e-mail cujo remetende tinha quase o mesmo nome do meu mais novo superior. Uma ou duas letras trocadas, só. O assunto era em inglês e envolvia algum assunto absurdo pra variar. Não abri. Devia ser vírus.

Dia desses, Stephen King me mandou um e-mail oferendo Viagra. Recusei e não abri de novo.

Como disse, de engraçado passou a intrigante. Vejam na imagem abaixo o e-mail que recebia outro dia. Não abri de novo. Só que, ao contrário dos outros, este eu não deletei. Troço estranho… Só refleti.

Que e-mail pra receber às vésperas da troca de mais um ano, hem?

Enquanto decido se abro ou não, queria ler de você o seguinte: se você tivesse a sorte de receber um e-mail desses e ele fosse quente, o que diria o seu conteúdo?

Ou seja, quem é você amanhã? Já pensou nisso? Desafio a pensar e comentar nesse blog com as conclusões que porventura você chegar.

eusouvoceamanha2.JPG

2 Comentários

Arquivado em Genéricos

O triste fim de Amarildo

amarildosuicidou-se_bx.jpg

Nada de idéia nenhuma de alguma comunidade do Orkut. Amarildo simplesmente cansou-se da vida. Minhocas perderam o gosto, os vôos já se iam sempre iguais. Tinha tudo: asas fortes, ninho, fêmea que o amava, tinha pássaros filhos seus, livres por aí. Mas tudo perdeu o sentido. Foi do nada. De uma alçada para outra, tudo se foi. “Ele que sempre fora cantante, veloz e alegre”, disseram os seus, aos prantos. Ninguém entendeu. Amarildo Pinto suicidou-se. 

O pássaro Amarildo foi encontrado dia desses pelo meu pai. Morto, supostamente enforcado no alto do curto telhado que costeia nossa casa.

Façamos o seu velório. Nas rodas de pesar e de luto que se formam ao redor do famoso e inútil caderno de presenças, sempre rola aquele papo cabeça. Os entes ficam especulando as verdadeiras razões do morto. Mas por que ele? O que aconteceu de tão grave que o levara a cometer essa loucura? Pra mim ainda não caiu a ficha. 

Clique no link de comentários ali em cima e ajude os milhares de leitores desse blog (ou milhões?) a entenderem o triste fim de Amarildo.

Eu simplesmente desisti.

15 Comentários

Arquivado em Genéricos

O fim

silueta.jpg

A cena forte aí em cima também me chocou.

Trago mais detalhes em breve.

1 comentário

Arquivado em Genéricos